fbpx

CONDOMÍNIO DE FATO E ASSOCIAÇÃO DE MORADORES

valor de condominio

Num certo sentido, condomínio é obra jurídica, não obra de engenharia. Pode muito bem haver um prédio, ou um “loteamento” (leigamente falando) que não seja condomínio do ponto de vista da lei.

A ADMINISTRAÇÃO

Os moradores de uma mesma localidade – prédio ou, mais comumente, “loteamentos” – se organizam “como se fosse” um condomínio. Elegem um “síndico”, fazem um orçamento de custos, programam obras de melhoria e rateiam entre os moradores os valores a pagar.

O PROBLEMA – COMO COBRAR A TAXA CONDOMINIAL?

Porém, nesses casos, as regras da legislação sobre condomínios não se aplicam! Então, um determinado morador pode simplesmente querer não contribuir e, a princípio, nada o obrigaria a pagar. Como cobrar uma “taxa de condomínio” dos moradores, já que não se tem um condomínio propriamente dito?

A TENTATIVA DE SOLUÇÃO – ASSOCIAÇÃO

Por isso, passamos a usar a estrutura jurídica de associação de moradores como meio de administração assemelhada ao condomínio. Então, os moradores seriam cobrados a título de taxa de associação, voluntariamente assumida por cada um deles.

O PROBLEMA RENOVADO – COMO COBRAR DOS NÃO ASSOCIADOS?

Vários casos aconteceram em que moradores não associados eram cobrados pela associação e se recusavam a pagar. Os moradores alegavam que não poderiam ser forçados a pagar por uma taxa associativa, já que eles não eram associados. As associações argumentavam no sentido do enriquecimento sem causa, pois as melhorias feitas no “condomínio” valorizavam a propriedade individual de todos, mas o morador não associado estaria se beneficiando sem contribuir.

A JURISPRUDÊNCIA DO STF – NÃO SE PODE COBRAR DOS NÃO ASSOCIADOS.

O problema é, DEPOIS DE DIVERGÊNCIAS nos tribunais, o STF assentou o entendimento, e o STJ acompanhou, no sentido de que quem não é associado não pode ser juridicamente forçado a pagar a contribuição.

COMO RESOLVEMOS?

Primeiro, criamos o estatuto da associação, prevendo que a condição de associado se transmite com a transferência da posse – o adquirente “herda” a posse e as pendências financeiras do possuidor anterior.

Depois, por cláusula no contrato de cessão original (daquele que está fazendo o loteamento irregular), vinculamos a venda da posse à associação do adquirente. Não se trata de forçar o comprador a se associar – mas impor uma condição para o negócio e deixar à outra parte a escolha sobre aceitar ou não.

Daí pra frente, tudo fica simples – o novo adquirente já recebe a posse vinculada à condição de associado, “herdando” as pendências sobre a unidade adquirida, caso existam.

Por esse caminho, tudo fica juridicamente “amarrado”, não pela lei diretamente, como teríamos no condomínio propriamente dito, mas por cláusulas em negócios jurídicos.

Comentários

Compartilhar este post


Contato